Close

ESTEVÃO, UM MÁRTIR DE AMOR

[Atos 6 e 7]

 

Estêvão foi o primeiro diácono e também o primeiro mártir da igreja. A Bíblia o descreve como “homem cheio de fé e do Espírito Santo” (At 6:5). Seu ministério foi curto,  sua história foi contada entre o capítulo 6 e 7 de Atos, mas foi uma história incrível! Sua conduta, sua devoção, sua liderança fizeram de Estevão um exemplo a ser seguido.

Eram tempos difíceis. Estevão tinha uma boa reputação: era sábio e cheio do Espírito (At. 6:3), por isso foi escolhido como líder da igreja. Não quer dizer que Estêvão não pecava, que não tinha seus momentos de tentação, mas ele dava testemunho, buscava viver da forma que os apóstolos e Jesus ensinou. O líder é o responsável por seus liderados. Todas as suas ações tem uma consequência, ou são benção, ou maldição. Estêvão sabia disso e conduzia sua vida guiado pelo caráter de Cristo, um líder cheio de graça e poder (At 6:8).

A igreja de Deus precisa de pessoas como Estêvão. Pessoas que tenham uma conduta santificada, obedientes às ordens de Deus. Pessoas cheias do Espírito Santo e não cheias de si. Vemos muito, nestes dias, pessoas que defendem seus pontos de vista com arrogância em sua própria sabedoria, mas não demonstram nem uma gota de sabedoria vinda do alto.

Precisamos de homens e mulheres que confiem plenamente em Deus e na sua bendita Palavra. Pessoas cheias de graça e revestidas do poder de Deus. Muitos cristãos mancharam o nome de Jesus. Hoje de manhã o Pr. Mauricio comentou sobre isto: Cristão que leva o nome de Jesus e dão um testemunho tão ruim que as pessoas acabam se afastando do caminho correto, por causa do mau exemplo dos cristãos.

A obras de Estêvão eram o selo da liderança. Diz as Escrituras que ele fazia prodígios e grandes sinais entre o povo (v.8). O caráter de um cristão é reproduzido e demonstrado em suas obras. Quem somos reflete necessariamente no que fazemos. Nossas obras refletem nossos valores. Nossas mãos manifestam o que está em nosso coração.

Estevão foi um líder cheio do Espírito e servo temente a Deus, não aceitava suborno e não transgrediu a lei. Isso incomodou os religiosos. Assim como se opuseram a Jesus, a religiosidade da época estava corrompida, falsos profetas pessoas oportunistas que queriam apenas tirar vantagem às custas da religião e da fé. Tentaram discutir com ele, tentaram fazer vacilar, mas Estêvão era um homem de Deus, tinha as Escrituras cravadas no coração, como diz no versículo 10: “Não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito ao qual ele falava”.

Quando perceberam que não iam encontrar motivos justos para calá-lo, levaram Estevão para o Tribunal religioso da época subornando alguns para que mentissem sobre ele. Estêvão enfrentou severa oposição dos membros do Sinédrio, mas eles não puderam refutar suas obras. Para levá-lo a condenação, precisaram subornar testemunhas falsas.

Lembram de Daniel? Foi acusado da mesma forma. Seus inimigos vasculham toda sua vida para chegarem a conclusão de que ele era um homem íntegro e irrepreensível. Hoje, precisamos desesperadamente de cristãos que tenham a marca da irrepreensibilidade. Perca o emprego, perca dinheiro, perca suas roupas, passe vergonha, mas não peque! Não negue sua Fé em Jesus Cristo. Estêvão foi fiel até às últimas consequências. Ele resistiu! Isso sim é ser a Resistência! Resistam ao Diabo e ele fugirá de vós. (Tg.4.7).

Aqueles homens clamavam por sangue. Neste momento Estêvão sabia que não haveria mais tempo. Sua hora chegou. Quando as pessoas entendem que estão a beira da morte, escolhem muito bem suas últimas palavras, pois não pode perder seus últimos e mais preciosos minutos falando de coisas sem importância. Estêvão sabendo disso, faz de suas últimas palavras um dos mais belos relatos sobre o antigo testamento. Ele usa seu instante final para falar tudo aquilo que Deus fez pela humanidade, glorificar o nome dEle e propagar a esperança de perdão para seus ouvintes.

Estêvão foi arrastado para fora da cidade, e assassinado por aquela multidão. Ele não tentou fugir, ele não precisava fugir, pois “Cheio do Espírito Santo, levantou os olhos para o céu e viu a glória de Deus, e Jesus em pé, a direita de Deus, e disse: “Vejo os céus abertos e o Filho do Homem em pé à direita de Deus. Enquanto apedrejavam Estêvão, este orava: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito”. Então caiu de joelhos e bradou: ‘Senhor, não os consideres culpados deste pecado’. E, tendo disto isso, adormeceu.” (At. 6:55-59)

Estêvão adormeceu nesta terra, para despertar na presença de Deus. Ele só conseguiu fazer a diferença, ser um líder de uma conduta irrepreensível porque ele amava Aquele que o chamou. Era o amor de Cristo que o movia. Entendia que seus vacilos, seriam perdoados, mas além disso ele sabia que o pecado o distanciava dAquele a quem ele mais amava.

Ele foi um líder da igreja primitiva, viveu a 2000 anos atrás e hoje nós somos os representantes da igreja celestial. Nossa responsabilidade é imensa! Vivemos as mesmas dificuldades que Estêvão, mas as vezes descansamos no passado e nos esquecemos que somos responsáveis pelo futuro. Deus nos colocou como sua igreja militante aqui na terra para serví-lo, para ser a “resistência” contra a mentira, contra as falsas doutrinas, contra falsos ídolos para propagar o Seu Reino, que já chegou, e multiplicar o amor que te move.

Busque viver uma vida irrepreensível. Em Jesus você pode! Não pense que não tem mais jeito. Viva um cristianismo verdadeiro, depositando toda sua confiança nAquele que te perdoa, te capacita e faz mais que vencedor.

Deus te abençoe!

 

Renan César Sanches Kleim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *