Close

ACOLHER COM AMOR PARA CONFRONTAR

Liderar um grande, ou pequeno grupo, até mesmo nossa própria família, vai nos colocar diante de situações de confronto.

Como encontrar o Equilíbrio diante de uma igreja que tem sido influenciada pelas posições extremistas da sociedade? De um lado, a “graça” distorcida que a tudo justifica, inclusive a falta de posicionamento, de outro o legalismo que massacra a espiritualidade porque ninguém é capaz de cumprir todas as leis?

Na Bíblia encontramos muitos exemplos de confronto. Deus, durante todo o Antigo Testamento usou profetas para denunciar os caminhos errados do povo e o motivo era sempre o mesmo: Deus os amava e sabia que o pecado lhes causaria sofrimento.

No Novo Testamento, os apóstolos escreveram cartas cheias de confronto, como Tiago, dizendo que a amizade com Deus depende de posicionamento; como o escritor de Hebreus, no capítulo 12 onde Deus diz que disciplina todo aquele que chama por filho e ainda que, “nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua santidade.” Os apóstolos estavam cuidando da igreja em amor.

O confronto está presente durante todo o ministério de Jesus, em encontros pessoais de Jesus com pessoas e também publicamente quando questionava a má conduta dos fariseus e a falsa espiritualidade.

Então, Jesus, aquele que amou de TAL MANEIRA e que estabeleceu o amor como um dos maiores mandamentos, confrontou.

Confronto e amor não são antônimos, pelo contrário, o confronto é resultado de amor e cuidado.

Nós queremos pensar juntos com vocês sobre um dos encontros pessoais de Jesus, que está registrado em João capítulo 4 a partir do verso 4.

 

 

Acolher com amor, tratar com as pessoas como gostaríamos de ser tratados.

 

1º-  Jesus, educadamente pede à mulher um pouco de água para beber.

2º-  Ela é surpreendida com o fato de um judeu falar com ela, uma MULHER SAMARITANA.

 

Jesus se importou mais com a vida da mulher do que com a opinião dos outros.

3º- Além de demonstrar interesse, está provocando nela interesse.

4º- Jesus está mostrando para mulher qual é o verdadeiro problema: a sede da alma.

Ele sabia quem ELE era, maior que qualquer um, mas decidiu mais uma vez pela humildade. Era a hora mais quente do dia, ela estava sozinha, porque provavelmente ninguém desejava sua companhia, e ele considerou sua dificuldade; Não a de buscar água no poço, mas a sede de companhia, de amor, de satisfação, de sentido.

Não podemos ter uma postura de superioridade, mas precisamos nos lembrar que já fomos adolescentes um dia, que hoje, provavelmente a dificuldade do outro pode não ser dificuldade para nós, mas já foi um dia.

 

No verso 16 Jesus diz à mulher: “Vá, chame o seu marido e volte”.

 

  Um alerta:   SOBRE A NOSSA EXPECTATIVA, o nosso coração:

Talvez a primeira coisa que precisamos ter em mente, é que as pessoas a quem nós lideramos irão falhar!

1º- Jesus não foi pego de surpresa pelos pecados da mulher e nem demonstra frustração.

2º- Jesus fez questão de tratar com a verdade.

3º- Jesus nutriu um ambiente favorável a verdade quando valorizou o fato dela dizer a verdade.

 

Essa consciência não tornava Jesus um líder disposto a proteger seus discípulos de qualquer erro que fosse e nem colocava sobre os seus liderados o peso de uma expectativa que eles não podiam corresponder.

 

Confrontar, sem ser legalista:

1º- Jesus não a levou a um julgamento público que terminaria na sua morte. Jesus a julgou para trazer a salvação. Foi o ponto final para a vida que ela vinha levando.

2º- Jesus mostrou a mulher que a adoração não é um lugar, mas a forma como se vive. Que a adoração não é um movimento do corpo, mas do coração.

3º- Jesus mostra a ela o interesse que Deus tem por encontrá-la, e, para isso, ela precisava ser uma verdadeira adoradora.

 

Nossos liderados precisam entender o porquê devem viver uma vida reta.

Eles precisam entender que não se trata do cuidado com a imagem da igreja apenas, ou com a reputação do ministério de adolescentes, estamos falando de uma vida plena.

 

    Confrontar, ensinando na Palavra:

1º- Jesus confrontou a mulher, baseando-se na Palavra, que deixa claro que adultério é pecado.

2º- Jesus se apresentou para a mulher dizendo a partir do conhecimento que ela tinha da Palavra, dizendo que Ele é quem os profetas escreveram e ele está explicando tudo a ela.

“Eu sou quem a escritura diz, eu sou quem você aguarda e eu estou explicando a você!”

 

Como cristãos, como líderes, nós precisamos nos DEDICAR ao conhecimento da Palavra e guiar as pessoas a buscarem o mesmo, com humilde devoção para entender dia após dia o que Deus deseja nos dizer e nos fazer viver.

 

Confrontar, sem tomar para si a responsabilidade de transformar o coração:

1º- Não foi o confronto, por si só, que transformou a vida da mulher samaritana, foi o encontro que ela teve com Jesus.

2º- A maneira como ela foi acolhida fez com que ela estendesse isso as outras pessoas, anunciando que ela havia encontrado Jesus.

3º- As pessoas não creram por causa do que ela disse, mas porque também se encontraram com Jesus.

 

A transformação do coração será resultado do relacionamento com Jesus.

 

Rafaela Gasparetto e Raphael Farias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *