arte1

Durante algum tempo eu estive em lugar nenhum.
É, lugar nenhum, sabe?
Tentei fazer coisas que não faziam sentido achando que por algum motivo me fariam bem. Fui a lugares onde nunca pertenci, vivi com pessoas que não queriam caminhar do mesmo lado da pista. Ia de um lado pra outro sem saber pra onde estava indo. Aí eu fiquei em lugar nenhum. Vendo a vida passar simplesmente como coadjuvante.
De um jeito dolorido, passei a ver que lugar nenhum não era lugar pra mim. Notei que havia um lugar onde eu pertencia e sim, eu deveria voltar.
Deus nos faz enxergar, por meio de muitas formas diferentes, que nós pertencemos a Ele. Que Ele é nosso lar. Porém, nós insistimos em continuar indo pra lugar nenhum fazendo nada, só porque não faz sentido estar em alguém. Porque esse amor absurdo, a graça pela graça, parecem irreais e coisa de gente alienada aos olhos daqueles que te cercam. É humanamente irreal, surreal, maravilhoso, ridículo.
Rejeitando todas a formas de perceber que pertencemos a Ele, passamos por experiências, na maioria das vezes, dolorosas. Ele também usa a dor pra te fazer perceber.
Como no filho pródigo, ele nos permite ir quando quisermos. Aprendemos com nossos próprios erros. Sofremos. E no fundo, é isso que queremos. Tirar a prova daquilo que não merece ser provado, que na real, não precisa ser provado.
Sabe o que é melhor de tudo isso? Você volta. Volta sujo, descalço e perdido. Volta com a única coisa que Ele quer de você: um coração arrependido. É maravilhoso ver como a graça e a misericórdia de Deus nos acolhe, nos renova, nos limpa. E o mais importante: te refaz. Te torna livre!
Depois das aventuras de filho pródigo, você aprende a não querer mais “a vontade de Deus pra minha vida”, mas entende qual a vontade de Deus e passa a colocar sua vida diante dela. Você entende que não é simplesmente “o Senhor é meu pastor e nada me faltará”, mas que se você se deixar pastorear por Ele, não sentirá falta de nada.
A melhor coisa do mundo é estar em casa. É voltar de lugar nenhum. É estar diante da cruz. É se encontrar.
Não estou falando sobre estar na igreja como instituição apenas. Estar nEle, com Ele. É muito maior.
Se você ja esteve em casa, entende o que estou dizendo. Quem ja esteve em casa, sente saudade. Não demore pra voltar!
Se você nunca esteve aqui, saiba: não há nada igual. Nenhum lugar nenhum pode trazer a paz que este Lar te dá. Nada é melhor que os braços do Pai.
“Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temerem, mas receberam o Espírito que os torna filhos por adoção, por meio do qual clamamos: “Aba, Pai”.”
Romanos 8:15 NVI

Olá, meu nome é Aline Pelisson, tenho 24 anos. Sou fotógrafa e designer. Gosto de escrever e fazer bons cliques. Não consigo ficar muito tempo sem apreciar um belo delicioso Sorvete!

Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *